Troia Resort

O que são

Quer seja pela sua singularidade ou pela sua monumentalidade, ao chegar a Tróia, não deixe de visitar as ruínas romanas.

Comece por se deixar levar pela beleza natural do sítio , inserido na Rede Natura 2000, numa paisagem dunar  que  começa junto a uma laguna e se prolonga ao longo da orla do estuário do Sado.

O percurso de visita convida-o a recuar até ao séc. I  d.C. e a conhecer um monumento nacional que sobreviveu mais de 2000 anos, com casas, fábricas, termas, mausoléu e necrópole, que identificam a cidadania romana.

É impossível ficar indiferente à presença dominante  das oficinas e dos seus tanques onde era salgado o peixe e se faziam os emblemáticos molhos de peixe vendidos por todo o Império. A sua quantidade faz-nos pensar na imensidão de pessoas que trabalhavam o peixe, desde os pescadores aos escravos e seus senhores. Será que vai conseguir sentir o odor a peixe da Tróia Romana?

São seis séculos de história, entre o séc. I e o séc. VI d.C., num espaço abençoado pela natureza. Tróia, a “Pompeia de Setúbal”, conforme foi referida por Hans Christian Andersen, foi pensada à escala do Império e é o maior centro de produção de salga de peixe do mundo romano.

Vai perder esta oportunidade?